Blog do Daka

Um espaço para compartilhar informações e estimular a reflexão.


Deixe um comentário

Metsul faz advertência por chuva extrema e tempo severo no Sul do Brasil

Por Professor Eugênio Hackbart, METSUL – http://www.metsul.com

A MetSul Meteorologia adverte sobre um cenário de alto risco aqui no Sul do Brasil nos próximos dias com temporais e chuva extrema em algumas regiões. A instabilidade voltou a ser intensa nas últimas horas sobre pontos dos estados de Santa Catarina e do Paraná com a formação rápida de um CCM (Complexo Convectivo de Mesoescala) e se manterá na parte meridional do Brasil, pelo menos, até a metade da semana que vem com alguns intervalos de melhoria. Há modelos numéricos globais indicando que o tempo poderia firmar no decorrer da terça-feira no Rio Grande do Sul, mas outros projetam chuva até a próxima quinta-feira na Metade Norte gaúcha por conta de frente semi-estacionária entre o Norte/Nordeste do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e o Oeste do Paraná. Volumes extremos a extraordinários de chuva são esperados no períodos dos próximos cinco a sete dias em parte do Sul do Brasil. Os mapas abaixo trazem a projeção de chuva para uma semana do modelo Brasileiro Cosmos/Inmet que está em pleno acordo com as projeções de outros modelos internacionais, exceto o do norte-americano GFS que concentra a chuva mais extrema quase totalmente no Paraná.

No caso aqui do Rio Grande do Sul, preocupa muito o cenário indicados pelos modelos de chuva excessiva na divisa com Santa Catarina, exatamente na bacia do Rio Uruguai. Modelo europeu projeta 200 mm a 300 mm em 7 dias no Médio e Alto Uruguai. Outros modelos prevêem 100 a 200 mm. Alguns dos modelos consultados não limitam a chuva excessiva à divisa com Santa Catarina, mas projetam também a possibilidade de áreas mais ao Sul da Metade Norte como a Serra, os vales e a Grande Porto Alegre, também terem muita chuva. Por isso, outros rios que cortam a Metade Norte, além do Rio Uruguai, igualmente exigirão atenção ante a possibilidade de cheias. No caso do Uruguai, o quadro é de muito alto risco e mesmo uma cheia de maiores proporções não pode ser afastada. A situação exige muita atenção ainda em Santa Catarina, especialmente no Meio-Oeste e o Oeste, e no Paraná. Estas regiões igualmente devem ter chuva extrema. Modelo europeu chega a projetar 300 mm a 400 mm para o Sudoeste do Paraná, nas áreas de Pato Branco, Francisco Beltrão, Foz do Iguaçu, Medianeira e outras cidades). Crucial, entretanto, não se fixar em projeções nominais de volumes ante a grande variabilidade natural da chuva, mas na perspectiva de precipitações excessivas e muito acima da média. Atente abaixo no mapa para as impressionantes anomalias de chuva nos próximos dias no Sul do Brasil, com base na projeção do modelo GFS. Além de cheias de rios, podem ser esperados problemas como alagamentos, inundações, queda de barreiras e possivelmente bloqueios de algumas rodovias. Áreas de encostas exigirão monitoramento ante a ameaça elevada de deslizamentos de terra.

Corrente de jato (vento) em baixos níveis trará ar quente e vai gerar risco de temporais de vento forte e granizo no Sul do Brasil. O “jato” atua mais sobre os territórios paranaense e catarinense no fim de semana e na segunda se reforça muito sobre o Sul do Brasil, e vai atingir o Rio Grande do Sul. Advertimos que alguns temporais no período podem ser até localmente intensos a severos com estragos. Esse é desenho atmosférico comum em eventos tornádicos de inverno. O risco é maior de tempo severo amanhã e domingo em Santa Catarina e no Paraná, mas não são afastados temporais isolados na Metade Norte gaúcha. Em geral, aqui no Rio Grande do Sul o dia de maior risco de tempestades é na segunda-feira, especialmente concentrado sobre a Metade Norte.

Fonte: http://www.metsul.com

Anúncios


Deixe um comentário

IMERG: mapa da NASA mostra caminho da chuva pelo mundo

A NASA divulgou, no mês de março de 2015, um mapa (o IMERG: Integrated Multi-satellitE Retrievals GPM) que mostra como as tempestades se movem por todo o mundo. O projeto, do Observatório GPM (Global Precipitation Measurement), coordena 12 satélites em um único plano, importante para que cientistas analisem as precipitações e como elas podem mudar no futuro. Este primeiro conjunto de dados abrange os meses iniciais de coleta, de abril a setembro de 2014.

Vale o play.

Abraços

Dakir Larara


Deixe um comentário

Pulverizar nuvens para fazer chover não funciona, dizem cientistas

Um novo estudo indica que a pulverização de nuvens para a produção “forçada” de chuva não funciona tão bem como se imaginava.

Chuva artificial

Em muitas áreas do mundo, como o sertão nordestino, a chuva é um recurso raro e precioso. Para estimular a precipitação, há décadas tem-se experimentado semear as nuvens com produtos químicos, como iodeto de prata ou dióxido de carbono congelado (gelo seco).

Há muitos defensores do método, que já teve usos famosos, como em 2008 nos Jogos Olímpicos de Pequim, quando grande quantidade de partículas foi pulverizada em nuvens para que chovesse antes – e não durante – as provas esportivas. Mas, de acordo com a nova pesquisa, feita por cientistas do Departamento de Geofísica da Universidade de Tel Aviv, em Israel, o mecanismo não é eficiente. Os resultados foram publicados na revista Atmospheric Research.

Pulverização de nuvens

O estudo analisou dados sobre pulverização de nuvens nos últimos 50 anos, detendo-se particularmente nos efeitos da atividade em uma área no norte de Israel. O grupo comparou estatísticas de períodos sem pulverização e com pulverização, bem como a precipitação em áreas adjacentes e em que não houve tentativas de produção de chuvas.

“Ao comparar as estatísticas de chuva com períodos de pulverização, conseguimos ver que os aumentos na precipitação ocorreram ao acaso. Os aumentos foram devidos a mudanças de padrões climáticos e não à semeadura de nuvens”, disse Pinhas Alpert, um dos autores do trabalho.

O mais destacado foi um período de seis anos de aumento na precipitação, que se acreditava ter sido um bem-sucedido resultado da chuva artificial. Pinhas e seus colegas verificaram que a elevação correspondeu à manifestação de um tipo específico de ciclone, consistente com o aumento de chuvas sobre as regiões montanhosas em Israel que foram pulverizadas. Os pesquisadores observaram que no período também houve um aumento nas chuvas sobre os montes da Jureia, área na qual não foi feita a semeadura de nuvens.

Nuvens sobre montanhas

Apesar de ser um método caro, há atualmente mais de 80 projetos de pulverização de nuvens em andamento no mundo, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial. A despeito das iniciativas, segundo Pinhas não há, até o momento, provas de que o método realmente funciona. A exceção, ressalta o cientista, é se a semeadura for feita em nuvens orográficas, que são formadas sobre montanhas e duram pouco.

Fonte: Reassessment of rain enhancement experiments and operations in Israel including synoptic considerations Zev Levinlow, Noam Halfon, Pinhas Alperta.

September 2010
Vol.: 97, Issue 4, Pages 513-525
DOI: 10.1016/j.atmosres.2010.06.011