Blog do Daka

Um espaço para compartilhar informações e estimular a reflexão.

Barcelona, Santos e o “elo perdido” do futebol brasileiro

7 Comentários

Não poderia deixar de tecer algumas singelas reflexões sobre o evento futebolístico deste fim de ano, a final do Mundial Interclubes FIFA 2011 entre Santos Vs. Barcelona. No texto que segue, tem de tudo um pouco: crítica geoecômica, política e  claro, futebol. Espero que todos vocês leiam e façam a crítica que sempre é bem-vinda. Então lá vai…

Nada poderia ter sido melhor para o futebol brasileiro do que o humilhante massacre do Barcelona sobre o Santos. Não que este Barça não venha fazendo isso por aí, contra qualquer um, em qualquer lugar. Mas no caso específico deste jogo final do Mundial FIFA, o mesmo sentimento generalizado, unânime tomou conta do país: em algum lugar do passado, em algum momento, perdemos o passo, a mão, a bola… A nossa maionese desandou. O tiro de misericórdia, para não deixar dúvidas sobre a necessidade de uma reflexão profunda, veio na coletiva do Guardiola, técnico do time catalão: “O que tentamos fazer é tocar a bola o mais rápido possível. Na verdade, é o que o Brasil sempre fez, segundo me contavam meus pais e meus avós.” Essas frases, ao menos pra mim, foram devastadoras!!! É preciso entender e traduzir as palavras do treinador: no lugar de provocar, tripudiar, escolheu a elegância habitual quase em tom de pedido, súplica de amante do futebol para que o Brasil retome suas origens. Foi isso que Guardiola fez: um pedido de um amante do futebol, que se dói com esse Brasil do pragmatismo futebolístico e, porque não dizer, da sociedade também.

Coisa para bom entendedor, daqueles para quem meia palavra basta. No caso, disse com todas as letras!! Provavelmente, desperdiçaremos a imensa chance para a reflexão. As palavras de Mano Menezes em seu blog pós-jogo indicam isso, e  falarei dela na sequência. Alguns breves pitacos em busca desse “elo perdido” do futebol brasileiro se fazem necessários. Coisas de dentro e de fora do campo.

Em primeiro lugar, é preciso entender o que aconteceu, onde e no que perdemos o tal elo. Naquele exato momento em que se trocou a posse de bola, o toque envolvente do Brasil (agora do Barcelona e da Espanha) pela correria, pela obsessão do tal contra-ataque, pela bola parada, pelos duzentos zagueiros e pelos volantes quebradores de bola em detrimento dos que sabem sair pro jogo. Quando deixamos de fabricar o meias, pegando todo guri habilidoso da base e jogando pra frente ou estimulando que para a posição de volante, o melhor é não sair jogando, mas sim ficar fixo e indo no máximo até a linha intermediária.

Enquanto isso, lá fora, estava em gestação o futebol da posse de bola, com deslocamentos, jogadores sem posição fixa e troca de lugar a todo instante.

É preciso todo cuidado do mundo agora para que a metralhadora não aponte para todos os lados. Ao contrário do que muitos irão dizer, ainda formamos bons jogadores. Mesmo para meias ou volantes com saída de jogo. Vejam o atual brasileiro sub-20. Tem muita gente boa, com talento, mas os ESQUEMAS DA MODA (como o 4-2-3-1 por exemplo), associados a uma ideia de futebol mediocre por parte de muitos treinadores, destroem a possibilidade desse talento crescer e, consequentemente, se afirmar.

Um pragmatismo cínico, cada dia mais incorporado em nossas vidas responde muito por isso, não só no âmbito do futebol, mas em todas as esferas. No torcedor, o qual se omite e se exime da obrigação de tentar ver se a seleção ou seu time estão jogando bem, aceitando acriticamente o discurso cínico dos “professores”, que ironizam os que “querem ver espetáculo, que deveriam ir ao teatro”. Nesse falso dilema entre competição Vs. espetáculo, perdeu-se o óbvio: a questão não é dar espetáculo, é JOGAR BEM, sempre o caminho mais indicado para a vitória. Jogando bem, forçosamente o tal espetáculo vem, mais isso é outra história.

Numa zona de conforto de salários astronômicos, nivelados com os maiores treinadores da Europa, referendados por cartolas mais preocupados em outras coisas do que na responsabilidade de ver seu time JOGAR BEM, nossos professores, em sua maioria, inundam seus times com 32 volantes cabeçudos, 88 zagueiros, contra-ataques e bolas paradas como arma maior. É o tal pragmatismo cínico que nos assolou e vai mudando nossa história.

O mesmo pragmatismo cínico que vi após a vitória do Barcelona dito tranquilamente na televisão em uma análise. “O jogo de hoje provou que precisamos repensar os conceitos de nosso futebol”. Dito por gente que há um ano atrás defendia com voracidade o pragmatismo de Dunga ou do Parreira, por exemplo. Ora, das duas uma: ou você defende que se repensem conceitos depois de ver o Barça da posse de bola, da troca de passes e dos deslocamentos de jogadores sem posição fixa, ou você defendia vorazmente o modelo de Dunga, a antítese do Barcelona. Contra-ataque, bola parada, volantões fixos, meias pouco criativos…

A calma que o momento pede não pode permitir também o ressurgimento do complexo de vira-latas, ou querer ver isso aqui ou acolá. Achar que nos curvamos ainda no túnel (o que não houve), que isso ou aquilo, teorias que sempre surgem quando o Brasil perde, vindas geralmente de nossas classes dirigentes e das elites, que assim, jogando a culpa na raia miúda, se exime de suas trapalhadas e responsabilidades.

Estamos falando de um país capaz de uma das mais assombrosas transformações da história da humanidade: em meio século, passamos de um país estruturado somente no setor primário e subdesenvolvido para um país com assento entre as potências econômicas, o país onde o futuro chegou antes do que se esperava. Falta muito ainda!!! Divisão de renda, educação, mas a transformação foi assombrosa, a ser contada um dia nos livros de história. E de mais a mais, quando Baggio olhou Romário na Copa de 94 no túnel, ninguém elaborou teorias diminuindo o povo italiano. É preciso manter o foco na floresta, e não se distrair com o dedo que aponta a árvore…

A lição irá desgraçadamente se esvair. Basta ver as palavras de Mano Menezes depois do jogo em seu blog. No lugar da urgente autocrítica, o único culpado nominado foi… a crítica. “Aqui, nossos críticos ainda estão rotulando uma equipe de ofensiva ou defensiva pelo número de atacantes ou volantes que o seu técnico escala na formação inicial, e isso passa para o torcedor”. Então tá, a culpa é da crítica, que tem lá as suas, mas essa não, mano velho…Técnicos, assim como seu chefe na CBF, CAGAM e andam para a crítica. Então olhe para o espelho e vamos aproveitar o momento para ver os próprios erros.

Falando no seu chefe, alguém imagina o déspota Teixeira acordando no domingo, às 8h30min, vendo o jogo, a aula do Barça e depois ligando pro Mano, trocando ideias de futebol, falando da necessidade de reformularmos as coisas, novos conceitos, ou melhor, resgatar antigos conceitos, como disse Guardiola? Podemos explicar parte de nossos problemas por aí, não é, Professor?

A calma que pedimos para analisar o que se passa por aqui é providencial para falarmos do Barcelona. Um senhor time de futebol que já entrou para a história. Um privilégio ver isso acontecendo em nosso tempo. Assim como o mandatário da CBF, eu não acordei para assistir ao jogo às 8h30min, mas vi o tape e parte do jogo com o meu velho Paulo Roberto, logo após o tradicional churras do domingo. Lembro que enquanto assistíamos o vídeo tape, trocávamos olhares e dávamos risadas do que víamos… Impressionante a forma e a facilidade de como o jogo do Barça era imposto para desespero do jogadores do Santos e do Muricy.

Sem dúvida, um belíssimo trabalho na base do clube, mas é só!!! E isso é muita coisa, muita coisa mesmo!!! É que temos também a mania, hipócrita e fruto também do cinismo, de querer que coisas do futebol, do campo, dos atletas, se transformem em “exemplos para a sociedade”. E o cinismo das pessoas e muitas vezes a inocência de outras geralmente embarca nessa.

Assim, passivamente vamos aceitando idealizações, sem respaldo na verdade. Ao Barcelona basta, e já nos dá demais, sendo um time espetacular de futebol, protagonista de uma revolução nas quatro linhas. Quando nos deixamos levar por idealizações, mundos perfeitos, exigir que homens se transformem em modelos, negligenciamos a verdade que não é tão aparente, nos deixamos levar por manipulações. O Barça, (suas categorias de base, seus princípios, seus atletas), não é modelo a ser seguido pela sociedade, como já se escuta aqui e ali, principalmente quando começam a mergulhar na busca das razões para o sucesso do time catalão.

Na presidência, está Sandro Rosell, amigo íntimo de Ricardo Teixeira, que vive em acusações mútuas também com seu antecessor. O homem que levou o patrocínio da Fundação Catar para o uniforme azul-grená. Uma figura que gerou e alimenta Sandro Rosell está longe de ser o modelo de sociedade que sonhamos. Um Barça que busca meninos talentosos na África ou América, ao arrepio da lei do artigo 19 da Fifa, um Barça com todos os pecados do mundo do futebol, e dificilmente seria diferente, sendo ele parte disso tudo. Um Barça que fez uma revolução nos campos, e isso, repito, é muita coisa. Isso diz respeito ao jogo que veneramos, e portanto a nossas vidas. Mas lá como aqui, devemos rejeitar idealizações. Digo, porque começo a ver isso se repetir toda hora.

Mas tal fato é o menos importante aqui e agora. O importante é buscar o elo perdido, que é nossa sobrevivência como brasileiros, mestiços, cafuzos, mamelucos, capoeiras, Manés, Pelés, moleques. Aqueles que os avós do Guardiola contaram um dia ao menino. Algo que se perdeu no tal pragmatismo cínico aqui tratado, exemplificado nos nossos “professores”, cartolas, imprensa boba e com os vícios de sempre, adepta do jornalismo de resultado, das arquibancadas cada dia mais gélidas e cínicas também, elitizadas sem o crioulo sem dente que botava água no feijão para levar seu amor incondicional ao estádio, substituído a cada dia pelo almofadinha que não conhece a derrota na vida. É ele que legitima esse modelo cínico da vitória a qualquer custo que vai nos matando em essência, conteúdo e forma, até sermos cobrados por um técnico estrangeiro em coletiva.

Abraços

Dakir Larara

Autor: Dakir Larara

Geógrafo, Professor universitário, pai das lindas Dandara e da recém chegada Anahí e, claro, marido da amada Maíra.

7 pensamentos sobre “Barcelona, Santos e o “elo perdido” do futebol brasileiro

  1. Grande Daka!
    Analisando ao meu ponto de vista, o que vimos não foi o aplaudido futebol individualista brasileiro, cujo maior expoente é o “bobaldinho”. O futebol apresentado pelo Barcelona é o futsal brasileiro adaptado ao campo. A reformulação do nosso futebol de campo deve iniciar com a reformulação dos nossos comentaristas que sempre exaltam o individualismo. A posse de bola de 75% sobre um bom time do Brasil foi algo inimaginável por mim. O Barcelona é o nosso futsal.😉

  2. Olá amigo, pai da Dandara, minha neta. Vi neste texto um comentarista “de primeira” que não se “entrega pros home.” Tuas metáforas são verdades, duras realidades. Gosto muito de futebol e mesmo não entendendo muito de técnicas e regras atrevo-me a dar um palpite: para que o Brasil possa enfrentar 2014 acho que a selção deveria ter; 3 goleiros, 8 zagueiros, 6 meias, 4 laterais esquerdos e 4 direitos e7 centoavantes e tudo em campo, jogando. Ou não. Abraço desse amigo velho. Eri.

  3. Legal a tua participação amigo “véio”… Obrigado pelas tuas palavras!! Por enquanto, eu só estou ensaiando uma de comentarista, hehehehe. Forte abraço.

  4. Muito bem colocado, Dakir, o futebol brasileiro fez escola, mas perdeu-se dela em detrimento do estrelismo, da CBF, dos clubes, dos técnicos e dos jogadores. E eu pergunto: nessa ordem, ou ao contrário.

  5. Olha prima, creio que é um pouco disso tudo que tu falas!! Nos perdemos na questão tática e pelo fato de privilegiar o individualismo em detrimento do coletivo. Aliás, a sociedade como um todo reflete justamente isso, ou seja, um individualismo exacerbado em prol da coletividade.

    Beijocas prima!!

  6. Fala Daka!!
    Sensacional esse teu blog…parabéns!!
    Ótima tua análise. Mas sei lá….o Santos foi patético, ridículo. Não merecem nem consideração. Futebol é praticidade: quando o time é muito mais fraco, tem que apertar tudo o que dá na marcação e sentar a porrada….tudo planejado, em rodízio pra ninguém ser expulso. Pronto: é isso que eu acho! Sera q o Barça ia conseguir tocar a bola daquele jeito contra um daqueles times “mordedores” do Boca?? Com o Grêmio do Dinho?? Com o Inter do Edinho?? Esses “quebradores” de bola servem, justamente, pra estragar com o futebol de quem sabe jogar. Mas vai fazer isso com Edu Dracena e Durval? Não dá né?! Além do mais, os caras do Santos não jogaram, mas sim reverenciaram os craques do Barça. Então, esse jogo não conta. Não merece nenhum comentário pq o Santos sequer tentou arriscar algo. Não é parâmetro pra nenhum texto ou discussão. Só fiquei com pena do Pelé….deve ter pensado: “que vergonha, queria poder estar dentro de campo sim……mas com os meus companheiros da década de 1960 e não com esses merdas aí”!!
    Em tempo: o Barcelona é o melhor time do mundo indiscutivelmente. Montou um super-time que está entre os dez melhores da história do futebol. A seleção espanhola também está em “estado de graça”….finalmente conseguiram uma super-safra de craques. Mas, cá entre nós: não vai durar muito. Em 5 ou 6 anos, o Barça volta a ser um bom time e a seleção espanhola retoma seu espaço no “trono da mediocridade”.
    Pra fechar: eu sempre disse que os cartolas, os “gênios” da retranca e a imprensa “especializada” iriam acabar com a seleção brasileira. Parece que, finalmente, atingiram o objetivo. Nem quero escrever nada sobre a copa. Isso me deixa deprimido. Só espero que, além de enriquecer “os de sempre”, sirva também pra melhorar as condições de saneamento e infra-estrutura geral do país, especialmente aqui em POA. E quanto ao futebol, já decidi: vou torcer pra uma seleção africana.
    Um forte abraço!
    Cícero.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s