Blog do Daka

Um espaço para compartilhar informações e estimular a reflexão.

Geo-Radar revela segredos abaixo da superfície

Deixe um comentário

Um grupo de pesquisadores franceses e noruegueses está aprimorando um georradar, um radar capaz de enxergar coisas enterradas no solo e o próprio solo e subsolo. O objetivo da pesquisa é criar uma plataforma prática para a localização de cabos elétricos, adutoras e outros dutos, avaliar a segurança de túneis e encontrar fontes de vazamentos.

O geo-radar envia ondas eletromagnéticas em direção ao solo e sua antena captura os sinais que se refletem nos objetos e retornam para a superfície. [Imagem: SINTEF]

Mas a lista de aplicações possíveis é tão grande que os cientistas não descartam nem mesmo a utilidade do georradar para localizar “baús de tesouro” – os artefatos arqueológicos podem ser avaliados previamente para que não sejam danificados na escavação.

Radar geológico

Um georradar é um aparelho projetado para mapear objetos no subsolo. Ele envia ondas eletromagnéticas em direção ao solo e sua antena captura os sinais que se refletem nos objetos e retornam para a superfície. Esses sinais de retorno são utilizados para construir uma imagem desses objetos.

Já existem diversos modelos de georradar no mercado, mas os pesquisadores queriam avaliar o potencial de uso do equipamento em uma variada gama de pesquisas – sobretudo naquilo que eles chamam de “aplicações menos óbvias”. A pesquisa ajudou a aferir onde a técnica é mais precisa e dá melhores resultados.

Georradar na arqueologia

Sobretudo nas cidades históricas, é comum a localização de objetos históricos e arqueológicos quando da execução de escavações para a construção de prédios e instalação de serviços urbanos, como eletricidade, água e esgoto.

Ao contrário dos cinzéis e pincéis usados pelos arqueólogos, contudo, nesses trabalhos é mais comum usar uma pouco sutil escavadeira. O resultado é que, quando os objetos são detectados pelos operários, muitos deles já foram destruídos.

A pesquisadora Anne Lalagüe descobriu que as imagens geradas pelo georradar mostram objetos enterrados com precisão entre 90 e 95%. Objetos maiores do que 10 centímetros foram localizados a profundidades de até três metros.

Segurança de túneis

O equipamento também se mostrou valioso na detecção de problemas de segurança em túneis. Os túneis rodoviários são revestidos com uma camada de concreto para proteger a estrada da queda de pequenos detritos e, sobretudo, da água que permeia continuamente a rocha.

Isso praticamente inviabiliza a inspeção da própria rocha, a maior causa do colapso de túneis. Hoje, o trabalho exige perfuração da cobertura de cimento e coleta de amostras aleatórias, não necessariamente realizadas em pontos mais suscetíveis ao desabamento.

O georradar começa ajudando na verificação do espaçamento entre o revestimento de concreto e a rocha, mas pode também ser útil na avaliação da integridade estrutural da própria rocha, produzindo perfis contínuos, capazes de indicar áreas mais sujeitas a problemas.

Georradar na engenharia

A pesquisadora encontrou maior potencial de uso dos georradares na área de engenharia, sobretudo em estradas e túneis. Como o trabalho foi realizado na Noruega, a utilidade mais destacada pela pesquisadora foi o monitoramento do efeito das baixas temperaturas do inverno sobre as estradas.

A profundidade de congelamento hoje tem que ser monitorada por meio de trincheiras cavadas ao longo da estrada – quando o gelo penetra muito, o asfalto precisa ser refeito.

“O radar permite a coleta de perfis contínuos, o que é mais barato e mais eficiente,” diz a engenheira. “Quando danos mais severos são detectados, pode ser necessário utilizar uma tecnologia de asfalto mais adequada.”

O georradar também poderá ser usado para minimizar a quantidade de sal jogado nas rodovias para derreter o gelo e evitar acidentes. Contudo, o sal acaba afetando o meio ambiente e aumentando o processo de corrosão dos carros. Esta aplicação em particular é possível porque a pesquisa mostrou que os resultados do radar geológico dependem da concentração de sal no solo.

Fonte: http://www.inovacaotecnologica.com.br

Autor: Dakir Larara

Geógrafo, Professor universitário, pai das lindas Dandara e da recém chegada Anahí e, claro, marido da amada Maíra.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s